Dirigido por Ruben Fleischer (de comédias como Zumbilândia: Atire Duas Vezes e Superstore), Uncharted: Fora do Mapa é um filme inspirado em uma franquia de sucesso dos videogames, onde veremos a história de origem de Nathan Drake, interpretado por Tom Holland.

Esta introdução ao personagem terá grande elenco e misturará viagens ao redor do mundo com situações salpicadas basicamente por todos os games da franquia. Sequências de ação do terceiro título são misturadas com o vilão caricato do segundo, enquanto a jornada em busca por uma conexão forte de Nathan (e um navio dentro de uma caverna!) são uma cópia do que vemos no quarto jogo. 

Confira o recente trailer divulgado nesta semana:

A sinopse oficial acrescenta um pouco sobre o que podemos esperar do longa.

Em um épico de ação e aventura que se estende por todo o mundo, os dois partem em uma perigosa busca pelo "maior tesouro nunca encontrado", enquanto rastreiam pistas que podem levar ao irmão há muito perdido de Nathan.

Sabemos também que o filme pretende agradar a todos os públicos ou, em outras palavras, irá atirar para todos os lados. Em entrevista ao site Den of Geek, Tom Holland conta que Fora do Mapa mira em agradar perfis diferentes, porque há um "aspecto que nunca foi visto" de Drake nos jogos e, aos que não jogaram, existe uma "boa introdução ao personagem".

Porém, não há bom marketing que salve o que temos/sabemos sobre o Uncharted, que está sentenciado ao fracasso desde sua concepção. Entenda o porquê a seguir. 

Virá tarde demais

Sem detalhar e entrar no campo de spoilers, uma verdade absoluta é que Nathan Drake se aposentou em Uncharted 4, game de 2016. A desenvolvedora da franquia partiu para outras apostas e, por enquanto, deve focar no (outro) gigante The Last of Us, que vai virar série da HBO. Uncharted: Fora do Mapa chegará nada menos que seis anos após a conclusão de uma jornada que durou quase uma década.

Ele será um dos primeiros filmes inspirados em jogos a ser lançado com tamanho atraso. Fora do Mapa inclusive deveria ser lançado ainda em 2021, com datas mudando de outubro para julho – pois é, a Sony estava positiva em adiantá-lo para tentar coincidir com a reabertura global dos cinemas  – e resolveu adiar, desta vez aparentemente em definitivo, para fevereiro do ano que vem.

Atemporais longa-metragens de Sonic, Mario e Pokémon podem vir a qualquer momento, afinal de contas os três são marcas que sempre parecem estar na crista da onda. Enquanto isso, uma janela de lançamento positiva a outros filmes de games costuma ser entre os lançamentos dos jogos.

Borderlands terá um jogo spin-off e um filme em um futuro próximo; Resident Evil virá em novembro; Ghost of Tsushima é um jogo do ano passado com produção de filme já anunciada e o mesmo pode ser dito sobre Metal Gear Solid, longa que atrairá o público ocidental e oriental independente de quando for lançado. Infelizmente, o prazo de validade de Uncharted já se foi. 

Incomparável a Indiana Jones (e Tomb Raider)


Enquanto o jogo teve sua inspiração clara em filmes de aventura, pegando emprestado o que Tomb Raider fez anos antes com os universos de jogos e filmes, compará-lo a Indiana Jones é um equívoco. Isso se comprova, mesmo quando deixamos de lado o legado dos filmes de Steven Spielberg, afinal, Os Caçadores da Arca Perdida (primeiro filme) conseguiu reinventar o que o cinema tinha como verdade sobre filmes de aventura.

A proposta da franquia dos games era te colocar na pele do aventureiro/caçador de tesouros que conhece das telonas, tendo que passar por momentos de tensão extrema, aparentemente sob seu controle. A carta na manga era você questionar se suas decisões são um mero acidente, antes de você perceber que muitos daqueles momentos eram roteirizados e inevitavelmente aconteceriam – como uma batida de carro, um prédio em colapso ou você conseguir escapar no último segundo. 

Logo, a questão é os jogos de Uncharted terem em sua essência uma fórmula já reciclada nos dois lados, dos filmes e dos videogames. Então como adaptariam um jogo cinematográfico (inspirado em moldes do cinema dos anos 1980) para o próprio cinema atual sem isso se perder no meio do caminho?

A resposta veio com o trailer. Uncharted: Fora do Mapa é voltado a outro público. É o mesmo espectador dos blockbusters de hoje, como das dezenas de filmes de super-herói e as explosões exageradas do atual estado de Velozes e Furiosos.

Adaptar um jogo (quase) nunca funciona

Quando o assunto é "filme inspirado em game" títulos como Resident Evil e Mortal Kombat vêm à mente, mas pouca gente pode adivinhar que o filme mais bem avaliado (de acordo com agregadores de notas da internet) é nada menos que Angry Birds 2: O Filme. Ele tem uma aprovação de 84% do público no Rotten Tomatoes e nota 6.4 no IMDb, ficando atrás de todos os sucessos adaptados, superando inclusive outro bem-quisto Pokémon - Detetive Pikachu.

E se ele com 6.4 é o mais bem avaliado dentro do gênero de games/filmes, então você pode esperar pelo pior quando tratamos de semelhantes. Existe um consenso coletivo de que um dos piores seria Alone in the Dark, de 2005, cuja nota é 2.4 no IMDb e ele conta com 11% de aprovação do público no Rotten Tomatoes.

Há fracassos dentre a crítica, fracassos com a base de fãs e também de bilheteria. Alone in the Dark, por exemplo, arrecadou em sua estreia apenas 10% de seu custo, o que é um fracasso total, pois ele nunca chegou a "se pagar".

Agora, falando sobre os que se deram "bem" em termos financeiros, há alguns títulos que se salvam.

Por referência, atualmente o maior sucesso de adaptação foi Warcraft, lançado em 2016, que teve uma abertura doméstica (EUA) de 24 milhões de dólares. No Brasil, durante o período de exibição, Warcraft totalizou uma bilheteria de aproximadamente 33 milhões de reais. O grande lucro deste foi com a China, onde conseguiu nada menos que US$225 milhões, ajudando muito na arrecadação total de US$439 milhões.

Um filme pós-pandêmico atual como Venom: Tempo de Carnificina faz cerca de US$90 milhões em sua estreia doméstica. Ou seja, nem em um cenário atual com "pouca" gente indo ao cinema, o maior sucesso de games no cinema ainda fica abaixo da média. Venom, por sinal, fez em apenas duas semanas  o que Assassin’s Creed (2016) conseguiu durante todo o período de exibição.

E onde Warcraft acertou? O que prova a lotação de salas é o público chinês familiarizado com o game de MMORPG. Jogos de aventura e ação de narrativas atrativas aos países ocidentais não vingam por lá. Filmes de jogos assim nunca rendem tanto – e pior ainda: poucos "se pagam".


Então, como conclusão, o sucesso de Uncharted (principalmente do quarto game) nos Estados Unidos não traduzirá em atrair o público americano ao cinema. A franquia só levou jogadores ao PlayStation 3 depois do segundo título, quando ele era um dos poucos exclusivos de grande porte na plataforma. Isso não pode ser dito sobre filmes de ação em grande escala que transbordam todos os anos.

Pensando no público pagante de ingressos dos tempos atuais, como adultos que podem conhecer as inspirações do game/filme, por bem ou por mal, não há nada que torne Nathan Drake um caçador de tesouros tão especial.

O sucesso do filme, claro, só o tempo vai dizer. Uncharted: Fora do Mapa será lançado em fevereiro de 2022, ainda sem data de estreia prevista para o Brasil.







Comentários