No próximo domingo (22) acontecerá a cerimônia principal de premiação do 71º Primetime Creative Arts Emmy Awards. O Emmy, para os íntimos, premia os melhores programas de televisão dos Estados Unidos, e na edição deste ano, estão concorrendo os melhores programas (na visão da Academia de Artes e Ciências da Televisão) que foram exibidos entre 1º de junho de 2018 até 31 de maio de 2019.

Para celebrar essa premiação, a InfoGeek preparou um especial do Emmy para cada programa que recebeu destaque nas principais categorias de atuação, direção e roteiro. Aqui nessa matéria, você vai conhecer a sinopse da série, uma breve crítica nossa, e por que ela deve receber a estatueta ou não.

Veja nossas apostas para o filme interativo Bandersnatch.

Sinopse


Já falamos por aqui sobre tudo o que você precisa saber sobre Bandersnatch, o primeiro filme da Netflix que pertence à série Black Mirror, mas mesmo assim vamos retomar: um jovem quer transformar um livro em um game. A proposta é simplesmente essa, porém, o twist é que você decide quais escolhas ele deve fazer.

O que mais se aproxima do formato de Bandersnatch é o especial de Natal de Black Mirror, um episódio bônus lançado em 2014, e o que destaca este primeiro dos outros episódios é o formato interativo que acabou sendo um bom teste do ponto de vista do serviço de streaming. Com a mesma ideia de servir como plataforma para críticas sociais pesadíssimas que vão te fazer repensar (ou não) algo sobre a sua visão de mundo, ele provavelmente vai te deixar confuso no primeiro play.

Crítica


Cada detalhe da história é seguido de maneira completamente "meta" a quem estiver assistindo, afinal, a ideia inteira é você ter a falsa noção de liberdade de escolha, mesmo que você realmente aperte um botão. A lição que você vai tirar é essa. Mesmo assim, há múltiplos finais – alguns spoilers somente serão citados no nosso post especial que citamos acima, e você pode ver aqui –, o que dá um fator de replay espetacular.

Há sim começo, meio e fim, então a história é fechada e vai te satisfazer ao falarmos de uma boa narrativa. Cada conflito tem o propósito único de te fazer mergulhar na história e você deve abraçar isso – se não, arrisco dizer que não vai gostar. As atuações também ajudam, todos foram muito bem escolhidos, assim como cada personagem bem criado para cumprir funções específicas, mesmo os que reconhecem que estão sob controle de algo além de seu próprio alcance.

É divertido repensar em como um formato tão simples e que é tão popular entre games narrativos foi introduzido ao público de maneira tão direta, porém, o risco da Netflix ao lançar um formato assim é completamente válido e eles merecem todo o crédito (e até a indicação).

Bandersnatch deve ganhar o Emmy?


A série está apenas indicada como "filme para televisão" e, apesar de ser a única com essa pegada de filme original Netflix (ainda mais por ser inspirado em uma série antológica), a proposta é única e eu realmente gostaria que vencesse. A questão "interatividade" provavelmente não é algo pesado ao decidir-se o vencedor, mas gostaríamos de um prêmio para Bandersnatch principalmente por ter sido  uma reinvenção criativa da fórmula.






Comentários