Nos últimos dias dessa reta final, rumo a premiação mais esperada do ano, preparamos um especial com os maiores nomes desta edição do Oscar.

Todas as publicações são acompanhadas da sinopse do indicado em questão, uma breve crítica (sem spoilers!), as categorias em que a obra está indicada, sua concorrência e, por fim, nossa aposta para a vitória em cada categoria – com base em histórico de premiações dos responsáveis, filmes do mesmo gênero (de edições passadas) e a recepção do filme pela crítica internacional.

Sinopse


Drama de fantasia dirigido e escrito por Guillermo del Toro, A Forma da Água conta a história de Elisa, uma mulher muda (Sally Hawkins) funcionária de um laboratório na década de 1960, que encontra uma criatura aquática (Doug Jones) ali mantida para pesquisas. A profissão como faxineira dá acessos a certas áreas que somente Elisa e cientistas de alto escalão, como o antagonista Strickland (Michael Shannon), possuem acesso. Logo, ela começa a desenvolver um relacionamento com o "homem anfíbio", e o filme se desenrola a partir daí. De cara, percebemos que Elisa se sente incompleta – e não só por sua ausência de fala, mas em questões maiores, que englobam fatos do cotidiano –, e essa é a mesma realidade de seu vizinho Giles (Richard Jenkins).

Crítica


O universo de del Toro e suas dezenas de inspirações, tanto cinematográficas (O Monstro da Lagoa Negra) como literárias (contos de H. P. Lovecraft) sempre ficaram claras em seus filmes. Com A Forma da Água não temos uma exceção a esta regra – logo, se gosta do estilo do diretor, assista sem preocupações.

Parte do culto ao filme está nos "níveis mais profundos do iceberg", se considerarmos a narrativa exposta (sem interpretações) como a ponta de tudo aquilo que carrega. Há um nível extremo de complexidade dado aos personagens, dos protagonistas aos colocados em menor evidência, que servem como uma metáfora a funções/posições sociais da nossa realidade, o que cria uma leve correspondência em cima de toda a temática "incompleta" carregada ao longo da história, de fácil associação ao espectador.

Em resumo, a "graça" de todo o filme está em sua interpretação, e não na história superficial que ele conta. É um filme completo que conta visões de indivíduos incompletos.

Indicações


Com nada menos que 13 indicações, é o recordista desta edição. Confira a lista de categorias abaixo (junto aos responsáveis por cada nomeação):
  • Melhor filme
  • Diretor (Guillermo del Toro)
  • Atriz (Sally Hawkins)
  • Atriz coadjuvante (Octavia Spencer)
  • Ator coadjuvante (Richard Jenkins)
  • Roteiro original (Guillermo del Toro, Vanessa Taylor)
  • Fotografia (Dan Laustsen)
  • Design de produção (Paul D. Austerberry, Jeffrey A. Melvin, Shane Vieau)
  • Mixagem de som (Glen Gauthier, Christian Cooke, Brad Zoern)
  • Edição de som (Nathan Robitaille, Nelson Ferreira)
  • Figurino (Luis Sequeira)
  • Montagem (Sidney Wolinsky)
  • Trilha sonora (Alexandre Desplat)
Curiosidade: se o filme tivesse uma 14ª nomeação, teria empatado com os mais indicados da história do Academy Awards – La La Land, Titanic e A Malvada.

Concorrentes


Na categoria de melhor montagem, A Forma da Água precisa bater dois fortes nomes: Dunkirk e Em Ritmo de Fuga. Ambos são fortes nomes na categoria, sendo a "edição" um dos principais pilares de suas narrativas – possibilitando a imersão na guerra e intensificando o ritmo musical "acelerado", respectivamente para cada longa.

Dunkirk também é uma das melhores apostas para levar o prêmio de melhor fotografia, além de compor o "power trio" de candidatos a melhor filme, junto de A Forma da Água e Lady Bird. Sobre este último, o grande prêmio da noite, ficamos na torcida por Dunkirk.

Falando em "trios", vale relembrar que Corra! e Três Anúncios Para um Crime também estão com indicação para melhor roteiro original. Neste caso, para a tristeza de del Toro, Três Anúncios deve levar a vitória, conforme previsto no Globo de Ouro deste ano.

O prêmio de melhor figurino deve ficar com Trama Fantasma, mesmo porque o filme gira em torno disso. E isso é pouco justo (quer dizer, injusto seria ver outro filme se não este vencer na categoria!), pois é culturalmente conhecido que "melhor figurino" é quase sinônimo de filmes de época. A Forma é o único filme adulto – pois excluímos A Bela e a Fera – com visual e roupas originais, sem depender de contexto histórico, logo, damos toda a credibilidade mesmo sabendo da indiscutível vitória de Trama Fantasma.

Nas demais categorias, mesmo com fortes nomes correndo lado a lado com A Forma da Água, acreditamos em algumas vitórias em categorias mais óbvias, que serão discutidas na sequência.

Levará os prêmios?


Uma boa parte. 

O filme é o "queridinho técnico" desta edição, e se não fosse por Dunkirk, provavelmente levaria todos – assim como vimos acontecer com Mad Max em 2016.

Das 12 indicações, A Forma da Água deve ser premiada pelo menos nas seguintes categorias:
  • Edição de som
  • Mixagem de som
  • Design de produção
  • Trilha sonora
  • Diretor
Del Toro já foi premiado por sua direção em A Forma da Água: recebeu os prêmios Golden Globes, Critics' Choice Awards e o Directors Guild of America (DGA). O diretor deverá se juntar aos conterrâneos Alfonso Cuarón (Gravidade) e Alejandro Iñárritu (Babel, Birdman e O Regresso) formando um trio poderoso de premiados mexicanos.

E os prêmios do filme não vão parar por aí, pois em 18 de fevereiro acontece o BAFTA Film Awards. Sem maiores surpresas, A Forma da Água está indicado 12 vezes – nas mesmas categorias do Oscar, exceto por ator coadjuvante e edição de som –, com a importante adição de melhores efeitos visuais, uma falha por parte da Academia. Apesar de não estar indicado na categoria, os efeitos especiais do filme merecem reconhecimento.

O gif abaixo representa de maneira breve algumas das etapas de "retoques finais" para a sequência inicial – temos o take original; sobreposição com renderizações de três dimensões; por fim, há correção de cor, partículas (granulado, efeitos de luz, bolhas) para dar mais imersão na cena e uma atenção especial às peças de roupa e cabelos submersos da protagonista.


Uma curiosidade é que, caso del Toro consiga o prêmio por melhor direção e tivermos Dunkirk ou Blade Runner 2049 como vencedores de melhor fotografia, essa será a primeira divisão entre os vitoriosos dessas duas categorias desde 2011 – com La La Land e O Regresso sendo os últimos a manter a tradição.




Facebook




Comentários