Oscar é a premiação mais importante e prestigiada do cinema, que envolve os filmes que tiveram maior destaque em suas produções. O prêmio é entregue pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas desde 1927, e hoje se encontra na 89ª edição. Nos últimos anos, a cerimônia de entrega vem acontecendo no final de fevereiro, mas a temporada de aquecimento para o Oscar acontece semanas antes. Por isso, preparamos um especial envolvendo 19 categorias da premiação para você conhecer ou relembrar os filmes que já ganharam uma estatueta. Na décima publicação da série, falaremos sobre 10 curta-metragens que foram consagrados com um Oscar. 

O prêmio para curta-metragens é dividido em duas categorias. A primeira é animação, que designa as produções de pequena duração que são feitas tanto por computação gráfica quanto por fotos de uma imagem desenhada. E a segunda categoria é a live-action, que reúne todos os filmes de curta duração feitos não com animação, mas sim utilizando seres vivos e/ou objetos inanimados. 

Os curtas em animação começaram a ser premiados em 1932, quando a categoria era chamada de curta-metragem cartoons. Em 1936, foram acrescentadas duas subcategorias em live-action, que na época recebia o nome de curta-metragem em live action: bobina 1 para filmes com até 10 minutos de duração, e curta-metragem em live action: bobina 2 para produções entre 11 e 20 minutos de duração. A palavra bobina, nesse contexto, teria o sentido de “rolo de filme”. A partir de 1957, essas subcategorias sofreram fusão para uma única categoria em live-action, e em 1974, os filmes conhecidos por “cartoons” receberam o nome de animação.

Listamos 10 curta-metragens que receberam o Oscar ou de animação, ou de live-action. Confira abaixo:


1
O Avião de Papel (2012)


Produzida pela Walt Disney Animation Studios, esse curta de animação conta a simples e romântica história de um rapaz que trabalha em um escritório, e que, depois de conhecer a garota de seus sonhos em um trem, usa vários aviões de papel para chamar sua atenção. O filme é uma mistura da animação tradicional com a computadorizada, utilizando um minimalismo em preto e branco e fazendo uso de uma nova técnica, chamada Meander, que consiste em juntar a animação em 2D com o CGI 3D. Paperman (em inglês) tem a direção de John Kahrs e foi anexado às exibições do longa Detona Ralph. Com um roteiro bastante atraente e costurado, o filme encanta com a sua simplicidade. Além disso, inova quanto as técnicas de produção, e ganha pontos e se destaca pela ousadia de ser um curta de animação em preto e branco.


2
Stutterer (2015)


Stutterer é um filme britânico do gênero de drama dirigido por Benjamin Cleary que recebeu o Oscar de melhor curta-metragem em live-action no ano de 2016. Com 12 minutos de duração, conta a rápida história de um jovem tipógrafo que sofre com distúrbio de fala, mas que com uma voz interior eloquente, precisa enfrentar um grande medo. Matthew Needham interpreta o personagem principal de forma bastante convincente e carismática, fazendo com que o espectador crie empatia pelo jovem já no início do curta. A forma em que Stutterer conduz o tema da narrativa é encantadora, dando-nos a perceber a fragilidade e importância desse assunto tão pouco abordado. O filme culmina em um final surpreendente, a estatueta se torna merecida e o tema garante um pouquinho mais de visibilidade – algo que ficamos extremamente felizes em ver.


3
A História de Um Urso (2015)


Com duração de 11 minutos, esse curta-metragem aborda uma questão histórica em forma de animação. Ganhador de mais de 50 prêmios (e incluindo a vitória no Oscar em 2016), um velho e solitário urso conta a história de sua família através de um diorama mecânico. Além de muito triste e sensível, o curta é baseado em uma história verídica – o diretor Gabriel Osorio se inspirou na vida do próprio avô, Leopoldo Osorio, para falar sobre a época da ditadura chilena, que perdurou entre 1973 a 1990 nas mãos de Pinochet. Produzido pela Pato Escola Pierart, esse curta chileno surpreende ao dar ênfase em um assunto tão pesado utilizando figuras de linguagem para ser interpretado, sensibilizando seus personagens em uma certa dosagem e fazendo do roteiro um artifício encantador o suficiente para emocionar o espectador. A leveza com que é mostrada essa tragédia é comovente, o que fez de A História de Um Urso ser uma obra-prima no universo dos curta-metragens.


4
The Phone Call (2014)


Dirigido por Mat Kirby e James Lucas, o curta-metragem britânico The Phone Call conta com a presença de Sally Hawkins (de Blue Jasmine e Submarine) e Jim Boradbent (o Slughorn de Harry Potter e o Enigma do Príncipe) no elenco. Heather é uma mulher tímida que trabalha em um centro de atendimento. Mas ela não sabe que ao receber uma chamada de um homem deprimido e misterioso, sua vida mudará completamente. Doloroso e comovente, o curta faz um retrato da realidade e expõe um assunto bastante sério em seu enredo. Apesar de ser ficcional, Lucas se inspirou na vida pessoal para dar vida às personagens, visto que a mãe do diretor já trabalhou em uma linha de ajuda. Belíssima direção, roteiro e fotografia compõe esse curta, que brilhou no Oscar e recebeu a estatueta no ano seguinte de sua produção.


5
Os Fantásticos Livros Voadores do Senhor Lessmore (2011)


Produzido pela Moonbot Studios, esse curta estadunidense aborda a trajetória de um solitário escritor que está concentrado em escrever sua história, mas certo dia, uma grande tempestade acaba embaralhando todas as letras de seus livros e transformando o mundo em um lugar triste e sem cor. Mas ao avistar uma garota voando na companhia de livros, o homem é transportado para uma nova perspectiva de sua vida. Esse maravilhoso curta-metragem é uma devoção à importância dos livros na vida de uma pessoa, da grandeza da leitura e do infinito universo que uma biblioteca pode proporcionar. Entretanto, Os Fantásticos Livros Voadores do Senhor Lessmore é muito mais que uma história, mas também um importante registro histórico cheio de repertórios. A trama cerca a destruição provocada pelo Furacão Katrina, que arrasou várias áreas americanas em 2005, faz referência a O Mágico de Oz e também às comédias de Buster Keaton. Dirigido por William Joyce e Brandon Oldenburg, esse curta é didático e inspirador.


6
Helium (2013)


O jovem Alfred está morrendo, mas por meio das histórias sobre HELIUM, um mundo mágico e fantástico contado por Enzo, um excêntrico zelador de um hospital, Alfred começa a recuperar o prazer e a alegria de sua vida, encontrando nas histórias do lugar um refúgio distante e diferente do qual sua rotina no hospital proporciona. Esse curta-metragem de 2014, dirigido pelo dinamarquês Anders Walter, é bastante emocionante, além de apresentar semelhança com o real. Abordando a rotina de um paciente em estado crítico, mostra o quanto uma história ficcional pode mudar a vida de uma pessoa, e consequentemente, a importância da leitura no mundo. Helium foi produzido pela Lars Wissing e também participou do Festival de Curta-Metragens de São Paulo.


7
A Tartaruga e a Lebre (1935)


Esse foi o terceiro curta-metragem de animação a ser premiado pela Academia. Produzido pela Walt Disney, foi lançado em 1935 e tem apenas 9 minutos de duração. A Tartaruga e a Lebre é baseada na fábula do mesmo nome, entretanto, ao contrário da original, é ambientada em uma corrida de um grande evento esportivo, ao invés de um pequeno desafio entre os dois animais. Max Lebre é o grande favorito da disputa, e por ser arrogante e incrivelmente rápido, acaba provocando vaias para a tartaruga, que é o seu oposto: Toby é lento e desajeitado. Entretanto, várias coisas mudam e uma moral – assim como na fábula – é sutilmente levantada. Wilfred Jackson ficou responsável pela direção do curta, que faz parte da Silly Simphonies, uma série de desenhos animados da Disney produzidos entre 1929 a 1932.


8
Curfew (2012)


Richie é um homem que se perdeu nas drogas e na depressão. Ao tentar se suicidar em uma banheira, recebe uma ligação bastante inusitada: sua irmã pede para ele buscar sua sobrinha Sophia, de 9 anos, já que ela não tinha com quem ficar. Dirigido por Shawn Chistensen, o curta leva o espectador para a mente do protagonista, que por meio de várias sensações, proporciona um olhar diferente sobre a depressão. Mas além de abordar a relação familiar entre tio e sobrinha – que é o grande foco da produção, Curfew também mostra, de uma forma geral, a relação entre as pessoas no século XXI. Sensível e instigante, o drama estadunidense tem um ótimo roteiro e direção, com várias cenas belíssimas e emocionantes.


9
A Casa de Pequenos Cubinhos (2009)


O curta-metragem A Casa de Pequenos Cubinhos é uma produção japonesa de 2008 dirigida por Kunio Katō. A trama conta a história de um senhor que vive solitário em uma cidade inundada. Conforme a água vai subindo, ele eleva sua casa com pequenos tijolos em forma de cubos e passa a morar nesse andar superior, cada vez mais aumentando de altura. Porém, um dia o seu cachimbo favorito cai e vai parar em um andar mais baixo de sua moradia, e então, o velho decide comprar uma roupa de mergulho e ir atrás dele. Ao emergir na água, ele passa a reviver toda sua história conforme vai descendo para os andares inferiores. A complexidade da história e do personagem principal é abordada de forma brilhante pelo curta-metragem. Comovente e tocante, todos os elementos visuais e auditivos são sinestésicos, o que garante uma maior imersão do espectador na história.


10
God of Love (2010)


Essa excêntrica produção norte-americana marca o primeiro prêmio de Luke Matheny. Retratada totalmente em preto e branco, o curta-metragem conta a história de um jogador de dardos, campeão de vários torneios amadores e com a vida amorosa conturbada. No entanto, sua vida muda quando literalmente suas preces são atendidas: o garoto recebe uma misteriosa caixa cheia de dardos que fazem quem for atingido por eles se apaixonar. Com 18 minutos de duração, Gof of Love tem um roteiro muito bem estruturado, personagens carismáticos e uma bela fotografia em preto e branco. A trilha sonora é bastante marcante no curta, e que com um certo humor contido nas cenas, ajuda a traduzir os sentimentos dos personagens. É difícil não torcer pelo protagonista!

E aí, ficou com vontade de assistir alguns destes curtas? Talvez você já tenha ouvido falar sobre algum deles, mas muitos dessa lista podem ser desconhecidos. Mas conta pra gente: qual seu curta favorito? Ficou feliz com os vencedores do Oscar desse ano? Diz aí!





Facebook




Comentários