Mathilda Savich é uma pré-adolescente com uma cabeça cheia de paranoias e medos. Após a morte de Helene, sua irmã mais velha, a garota passou a ter uma convivência conturbada e desgastada com os pais, principalmente com sua mãe, o que e Mathilda justifica com o fato de que sua irmã era a filha favorita. Como consequência de todos os contratempos da vida, Mathilda desenvolve um gosto peculiar por ser má.

Como uma estratégia para tentar tirar os pais do luto que os consome, Mathilda começa a investigar tudo que pertencia a Helene. Mathilda passa a ler tudo: suas cartas, e-mail's, cadernos escondidos, tudo que possa conter uma resposta para a precoce morte da irmã. Graças a essa iniciativa, o leitor passa a saber cada vez mais coisas sobre Helene e sobre a vida que a garota levava. 

Ao decorrer da narrativa também descobrimos mais sobre Mathilda, que se mostra ainda mais confusa, até mesmo em relação a história que envolve a morte de sua irmã. Depois de alguns capítulos lidos, é inevitável que o leitor passe a sentir até mesmo dó da personagem principal. Cada página que passa Mathilda se mostra cada vez mais frágil, o que motiva a garota a tentar se mostrar cada vez mais forte e malvada, o que rende diálogos sádicos e irônicos no qual uma pré-adolescente tenta de mostrar precocemente adulta. 

Depois de um tempo, Mathilda passa a se mostrar egoísta em algumas atitudes, mas acima disso fica claro que ela é uma garota carente e que faz isso apenas para tentar chamar a atenção de seus pais, principalmente de sua mãe. Em um momento da leitura se torna difícil conviver com a sensação de que quando o livro terminar você terá que se despedir de Mathilda.

Victor Lodato surpreende em seu primeiro romance, apresentando uma narrativa tão leve que se torna quase impossível largar o livro até chegar ao fim. Os fatos são narrados com uma grande riqueza de detalhes, que em algumas partes da trama se tornam extremamente necessários. As personagens, principalmente Mathilda, são descritos de uma forma tão boa que a impressão que nos passa é a de que já somos velhos conhecidos.

Victor conseguiu retratar com perfeição e delicadeza as angustia de perder alguém especial e lidar com a rejeição dos pais quando se é tão nova, como foi no caso de Mathilda. Em pouco mais de 300 páginas, o autor conseguiu guardar a vida de uma personagem tão marcante e que mostra tanto da vida e de suas reviravoltas, que nem sempre são tão boas. Além de tudo, o livro mostra como é natural do ser humano ter dois lado, um lado que todos conhecem e outro lado que é só nosso. 

Já leu 'Mathilda Savitch'? Conte pra gente o que achou!









Facebook




Comentários