O Oscar é a premiação mais importante e prestigiada do cinema, que envolve os filmes que tiveram maior destaque em suas produções. O prêmio é entregue pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas desde 1927, e hoje se encontra na 89ª edição. Nos últimos anos, a cerimônia de entrega vem acontecendo no final de fevereiro, mas a temporada de aquecimento para o Oscar acontece semanas antes. Por isso, preparamos um especial envolvendo 19 categorias da premiação para você conhecer ou relembrar os filmes que já ganharam uma estatueta. Na sétima publicação da série, falaremos sobre 10 protagonistas que foram consagradas com o Oscar de melhor atriz.

Como uma forma de representatividade feminina no ramo do cinema, o prêmio de Melhor Atriz é dado pela Academia para a atriz que mais se destacou em uma produção cinematográfica, fazendo uma performance digna da estatueta, e ser considerada a melhor do ano. Atores e atrizes da banca do Oscar votam nas intérpretes que serão indicadas, deixando os votos para a vencedora por conta da banca técnica. A atriz que mais venceu nessa categoria foi Katherine Hepburn, totalizando 4 estatuetas para sua prateleira no decorrer de sua jornada de produções. Outras atrizes que estão abaixo de Katherine por vitórias, apenas receberam dois prêmios (incluindo Meryl Streep e Hilary Swank). A primeira e única atriz negra a ganhar um Oscar de Melhor Atriz foi Halle Berry, pelo seu trabalho em Monster’s Ball, de 2002.

A importância de um prêmio como este é dar visibilidade ao talento das mulheres no ramo do cinema, que sofrem preconceitos diversos pelo machismo de Hollywood. Muitos produtores não assinam contrato ao ver um roteiro onde uma mulher é a protagonista, pois para eles os filmes que visa o olhar feminino não é bem visto pela crítica e público -  as bilheterias com mulheres em papeis principais não rendem um bom lucro, mostrando que tanto dentro de produções como até no público que assiste o machismo é real. Uma completa falta de respeito e de coerência, já que as melhores atuações, que dão mais vida e expressões no cinema são sem dúvida das lindas atrizes.

Confira agora 10 talentosas atrizes que venceram a categoria de Melhor Atriz:


1
Cate Blanchett, por Blue Jasmine (2013)


O longa do renomado diretor Woody Allen conta a história de Jasmine (Cate Blanchett), uma rica mulher de 40 anos que precisa se mudar para a casa de sua irmã, logo após seu marido a trair, recomeçando sua vida do zero e sem dinheiro. Blue Jasmine foi considerado uma das melhores obras de Allen, e é tudo mérito de Cate Blanchett.

Blanchett usa o humor sarcástico e a interpretação magnífica para dar vida a Jasmine. Teve que se dedicar a uma produção altamente exaustiva, já que sua personagem passa por acontecimentos fortes, além de fazer o espectador ficar intrigado com o real caráter da mulher - passando de uma personagem vítima para também culpada dos ocorridos até ver o quão neurótica Jasmine é. E não teria sido uma combinação perfeita colocar uma personagem complexa para uma atriz incrivelmente profissional. Cate também passou por várias oscilações de humor na pele de Jasmine, que refletem no seu tom de voz, nos gestos corporais, na postura e principalmente nas expressões ao ponto da atriz. O filme é inteiro de Cate Blanchett, e ela conseguiu executar um ótimo trabalho fazendo a personagem se assemelhar a vida dos milionários de Nova York. Quem assiste acaba odiando ações de Jasmine, porém amando as expressões de Blanchett, assim como falas que saem da boca da personagem nos fazem ficar irritados, mas a gente se orgulha da dedicação da atriz ao mesmo tempo.


2
Meryl Streep, por A Dama de Ferro (2011)


A biografia cinematográfica da famosa e relevante ministra do Reino Unido, Margareth Thatcher, interpretada por Meryl Streep no ato principal, nos mostra a vida de Thatcher da infância até a velhice - um filme político e forte. Meryl compõe uma personagem repleta de jeitos psicológicos e principalmente físicos, com a ajuda da formidável maquiagem para deixa-la o mais parecida possível com Margareth.

A atriz veterana se dedicou ao máximo para o papel, personificando um sotaque, uma alteração na voz notável e as mudanças físicas da ministra. Com certeza este é um dos melhores trabalhos que Meryl já fez, assim ao ser indicada ao Oscar, não era admirável que a atriz fosse a favorita entre a Academia e o público espectador a vencer. Na cena inicial do filme, Streep às vezes chegava a estar tão semelhante com a personagem biografada que se perguntavam se não era realmente Thatcher ali no longa, mostrando o lindo trabalho dos efeitos especiais/maquiagem com a soberania e maestria de Meryl na pele de Margareth. Ver o filme é não conseguir imaginar outra atriz que pudesse fazer uma interpretação sequer a altura da performance triunfal de Meryl Streep.


3
Hilary Swank, por Menina de Ouro (2004)


Hilary Swank interpreta Maggie Fitzgerald, uma boxeadora que está a procura de um treinador e preparador para leva-la ao estrelato do mundo dos ringues, passando por dificuldades e principalmente preconceitos por ser mulher. Hilary consegue unir uma força gigantesca em uma leveza delicada em um mesmo papel.

A atriz se preparou muito para o trabalho, moldando seu lindo corpo e aprendendo a lutar, fazendo as cenas de boxe serem o mais verossímeis que podemos ver. Os momentos de reação ao receber um golpe de luta já dá um passo a mais em reconhecer que a atriz sem dúvida é talentosa, tirando fôlegos e deixando o público aflito. Mas não só de beleza se fez Maggie. Swank, mesmo com seu talento em prova - já que por ser uma atriz renomada e dotada de beleza é alvo de críticas preconceituosas - acaba se mesclando com a trama de sua própria personagem interpretada. Os olhares de tristeza, lágrimas e acontecimentos na vida de Maggie são de levar Hilary a um desafio grandioso de atuação: e conseguiu! A dor no olhar com a mudança gradativa da personagem é de emocionar muitos, porém o objetivo não é emocionar, e sim encorajar de que por mais que tudo esteja dando errado, tem que ter forças pra continuar. Com Menina de Ouro, Hilary Swank se tornou bi-campeã no Oscar de Melhor Atriz (seu primeiro veio por Meninos Não Choram)


4
Julianne Moore, por Para Sempre Alice (2014)


No filme que conta a história de luta de Alice contra o alzheimer, Julianne Moore está impecável. Em meio a tanta leveza do filme, a atriz descobre na personagem o momento e o lugar certo para intercalar sofrimento e doçura ao mesmo tempo. Os atores coadjuvantes a sua volta fizeram momentos ricos de interpretação graças a Moore, que mostrou que está no patamar mais alto de sua carreira.

Com todo o sofrimento de sua personagem no olhar, Julianne nos dá uma performance crível da batalha de Alice em ver tudo o que conquistou na vida se acabar por conta da doença. Os diálogos são super bem elaborados e soltos com uma dicção magnífica, além de olhares e expressões de preocupação. Momentos de choro, de alegria e principalmente de medo. Alice, com seus problemas de perda de memória dá um desafio grandioso a Julianne.  Críticos apontam que este não é o melhor trabalho de Moore nas telas do cinema, porém não é negável a brilhante interpretação da atriz no longa que lhe rendeu seu primeiro Oscar de Melhor Atriz - e sua quinta indicação da academia.


5
Natalie Portman, por Cisne Negro (2010)


O filme do diretor Darren Aronofsky conta a trama da bailarina Nina (Natalie Portman), que passa a sentir uma grande pressão por conseguir os dois papéis principais para o novo espetáculo de O Lago dos Cisnes, confundindo o real com a paranóia da preocupação. Tal preocupação é demonstrada de forma surpreendente por Natalie, que consegue uma desenvoltura com a personagem a ponto de tirar o fôlego do espectador em muitas cenas.

Portman se destaca sem dúvida alguma dos demais colegas de elenco (que também estavam muito bem preparados para seus respectivos papéis), fazendo Cisne Negro se tornar o seu maior trabalho até então. Uma mistura de delicadeza com uma fúria no ponto certo. Uma performance incrível que acabou até fraturando algumas costelas durante as filmagens do longa. O prêmio de melhor atriz não poderia ter sido entregue por outra pessoa, já que fez um preparo psicológico muito forte para fazer Nina, além de ter que aprender a dançar o ballet que vemos no filme (mesmo que Portman tenha estudado a dança desde seus quatro anos de idade). Mas, com certeza, suas expressões faciais é o que dá show ao filme, casando com todo o enredo e as memoráveis cenas de ballet - destaque para a cena final da transformação do cisne branco para o cisne negro!


6
Marion Cotillard, por Piaf - Um Hino Ao Amor (2007)


A biografia da renomada cantora Edith Piaf nos mostra de primeiro plano o incrível trabalho do setor de maquiagem do filme com a caracterização da francesa Marion Cottilard, sendo indiscutível a comparação com a real cantora. Porém, não foi apenas a maquiagem que se destacou na atriz: sua atuação tirou risos e choros do público. Ela simplesmente se esconde na sua personagem e domina a aura de todo o filme.

Marion teve que se submeter a uma personagem que passa por várias fases complicadas de sua vida para aliviar a dor - nas bebidas, na ignorância, nos amores infelizes e no fracasso. Reparamos também a evolução que Cotillard dá para Piaf no desenvolver das idas e vindas do tempo no longa, de uma cantora tímida e recém descoberta até o seu triunfo com La Vie en Rose, sua música mais famosa. Com certeza a atriz é o grande mérito do filme ter um grande destaque, pois o resto deixa a desejar. Quando foi aceita para participar do longa, Marion disse aos produtores que não tinha uma voz suficiente para viver a pele da cantora, fazendo as cenas de canto serem todas dubladas (o que não causa nenhuma estranheza ou perda de credibilidade). Sua monstruosa atuação faz de Cotillard uma das atrizes de maior destaque em caracterização no cinema, dando um show de olhares icônicos, desenvoltura corporal e expressões faciais de transmitir os sentimentos mais variados.


7
Charlize Teron, por Monser - Desejo Assassino (2003)


Que Charlize Theron arrebenta quando se trata de atuação, não é novidade alguma. Agora se você não viu Monster - Desejo Assassino ainda irá se surpreender com o trabalho dessa atriz. Theron encarna a famosa e primeira serial killer americana Aileen Wuornos, mostrando sua biografia da prostituição até o trajeto de seus assassinatos em série. O filme não é uma produção a se destacar, porém a atuação da atriz faz o filme se expandir e  torna pequeno todos os outros aspectos.

A caracterização com certeza é o ponto chave, que fez Charlize engordar 15 quilos para o papel. Além disso, o cabelo descuidado e uma boa dose de maquiagem para que ela ficasse o mais real possível, fizeram ela se personificar na própria Aileen. Entretanto, todas esses aspectos não bloquearam o talento de Theron - seus olhares, expressões, tom de voz e postura dão vida por completo a personagem. Deixou de lado a estrela hollywoodiana linda e esbelta para vivenciar um papel que a torna totalmente o oposto, passando um ar assombroso e seriedade amedrontador.


8
Brie Larson, por O Quarto de Jack (2015)


O Quarto de Jack não poderia ter uma intérprete tão boa no papel de Joy (Brie Larson), uma mãe que está há 7 anos presa em cativeiro dentro de um quarto junto a seu filho. O sentimento de fuga e a esperança de sair é interpreta de forma linda por Larson, que junto ao pequeno Jacob Tremblay dá um show de interpretação. A dupla perfeita para o filme. A conexão dos dois faz o público ficar aos seus pés, mostrando que nesse filme não existe protagonista e coadjuvantes - o talento dos dois é igualmente importante, mas só Brie leva a estatueta.

Mesmo com o filme não proporcionando tanto a visibilidade da atuação de Brie, ela consegue se destacar e ficar firme na personagem, mostrando muitas expressões faciais significantes, como olhares tristes e cansados numa mera variação. Em boa parte do longa, Larson estava o mais natural possível, sem muita maquiagem, um ponto diferencial que pode ter alavancado sua ótima interpretação. Uma mãe cuidando de seu filho enquanto um louco a mantém presa dentro de um quarto é um desafio em tanto para soltar os dotes da atuação. E Brie Larson fez e conseguiu o prestígio.


9
Kathy Bates, por Louca Obsessão (1990)


No longa, Kathy Bates é Annie, uma enfermeira que socorre um famoso escritor por quem é muito fã. Ao levar-lo para casa, ela acaba descobrindo documentos que revelam que sua personagem preferida da trama do escritor morre. Isso faz com que ela mude de personalidade para algo doentio, começando o ápice da atuação de Bates, pois sem dúvida alguma o filme é todo dela se tratando de talento.

Se os espectadores não soubessem da sinopse de Louca Obsessão, iriam ser totalmente enganados por Kathy na personalidade doce e gentil que ela encarna Annie no começo da trama. Porém com o passar do enredo, a personagem começa a revelar seus segredos escondidos e loucos. É completamente um mar de talento que a atriz nos entrega ao ver o longa. O papel da enfermeira não é nada fácil, e Kathy conseguiu com maestria a força que a personagem queria - personagem que foi sugerido a outras três atrizes antes dela, e recusaram. Transformando-a em uma completa psicopata, Bates faz de Annie uma genuína vilã memorável com sequências poderosas e eficazes. Foi a primeira mulher a ganhar um Oscar por esse gênero de filme.


10
Julie Andrews, por Mary Poppins (1964)


Julie Andrews encara o seu primeiro papel no cinema com o musical da Disney Mary Poppins, fazendo uma babá doce, gentil e belíssima. Não há como negar que com sua beleza, Andrews em junção a figurinos memoráveis e uma ternura na fala consegue fazer de Poppins um belo trabalho de atuação e canto, mostrando com perfeição a personalidade da personagem. Atualmente, é uma veterana de peso no cinema, mostrando uma seriedade e um leque de atuações incríveis.

O filme não teria sido tão aclamado se não tivesse Julie, mesmo que novata, dando o troco para a produção do também musical Minha Bela Dama, de 1964, que ignorou a atriz por achar que a mesma não seria boa o bastante - Andrews só era veterana no teatro, o preconceito dela não conseguir se adaptar ao cinema fez com que ela fosse vetada do filme. Por sorte, ela conseguiu o papel para Poppins, e mostrando para todos a sua volta que, não só podia atuar nas telonas, como era tão boa quanto qualquer outra veterana no cinema ou até melhor, já que em sua primeira indicação ao Oscar ela já ganha a estatueta (deixando as outras já “experientes” pra trás). A personagem Mary Poppins é tão fantástica e encantadora que faz a atriz se fundir a sua criação, deixando tanto crianças como adultos a acreditar que ela poderia sim voar com seu guarda-chuva mágico e pousar a qualquer momento e em qualquer casa que precisasse de sua ajuda. Julie Andrews se eternizou já em seu primeiro trabalho no cinema.


!
Bônus - Empate

No ano de 1969, aconteceu algo até então inusitado na premiação. Os votos da Academia estavam tão divididos e agraciados com as atuações das indicadas que acabaram entregando o prêmio para DUAS atrizes. Isso mesmo! Duas atrizes ganharam o Oscar de Melhor Atriz em 1969. As já veteranas e conhecidíssimas Katherine Hepburn, por O Leão no Inverno, e Barbara Streisand, por Funny Girl. Foi a primeira e única vez que a Academia fez essa peculiaridade, mesmo que em muitos anos nós sempre ficamos admirados e em dúvidas em quem vai levar o prêmio.


Você já conhecia algumas dessas belíssimas e extraordinárias atrizes? Aposto que sim! Precisamos acompanhar quem levará a estatueta este ano. Você já tem a sua favorita? Comente aqui pra gente, e continue acompanhando a Infogeek!





Facebook




Comentários