O Oscar é a premiação mais importante e prestigiada do cinema, que envolve os filmes que tiveram maior destaque em suas produções. O prêmio é entregue pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas desde 1927, e hoje se encontra na 89ª edição. Nos últimos anos, a cerimônia de entrega vem acontecendo no final de fevereiro, mas a temporada de aquecimento para o Oscar acontece semanas antes. Por isso, preparamos um especial envolvendo 19 categorias da premiação para você conhecer ou relembrar os filmes que já ganharam uma estatueta. Na quarta publicação da série, falaremos sobre 10 filmes animados que foram consagrados com o Oscar de melhor animação.

Sendo produzido tanto por computação gráfica quanto por fotos de uma imagem desenhada, Animação é o processo em que o fotograma de um filme é desenhada repetidamente, fazendo poucas mudanças ao mesmo modelo (como o stop motion por exemplo). Temos produções tanto em 2D (que foi o começo da animação e, consequentemente o mais antigo) como em computação gráfica (algo mais recente). A animação digital veio para aumentar o desenvolvimento e a velocidade do processo de criação, abolindo várias repetitivas tarefas mecânicas.

No Oscar, a categoria Melhor Filme de Animação começou em 2002, na 74ª Edição da academia, como uma forma de incentivo à produção de longas em animação. Já houveram vários vencedores desde então, porém o estúdio que mais colecionou oscars foi a famosa produtora de desenhos em animação digital Disney Pixar, totalizando 9 estatuetas somente na categoria. Três prêmios para longas de animação foram entregues como prêmios especiais mesmo sem categoria oficialmente. Estes são: Branca de Neve e os Sete Anões (1939), Uma Cilada para Roger Rabbit (1989) e Toy Story (1996).  

Confira alguns filmes que venceram na categoria de animação:

1
A Viagem de Chihiro (2002)


Que o Studio Ghibli está sempre nos proporcionando histórias incríveis, muitos já sabem. Mas pela primeira vez em 2002 a produção japonesa leva uma estatueta do Oscar. Com A Viagem de Chihiro, o renomado e querido diretor Hayo Miyazaki eleva seu patamar ainda mais alto no ramo cinematográfico. Na trama, Chihiro é uma garota de dez anos medrosa que, junto aos pais, acaba encontrando um túnel misterioso que leva os três para um vilarejo abandonado. Porém, tal vilarejo, ao anoitecer, desperta uma nova dimensão e seres místicos começam a habitar a vila, fazendo Chihiro ir em busca de uma forma de voltar para seu mundo e encontrando sua própria personalidade.

Repleto de metáforas feitas por Miyazaki, a animação critica a relação social da população japonesa moderna. A ganância, a arrogância, a avareza e a poluição ambiental são fortemente representados por personagens no decorrer do filme. Especula-se que a aventura retrata no longe é uma releitura representativo de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll - da mesma forma que Alice acaba entrando por acaso num mundo de maravilhas (ou nem tanto assim), Chihiro adentra a dimensão sem querer, passando a correr atrás de uma forma qualquer para sair dali.


2
Ratatouille (2007)


Ambientado nas ruas de Paris, Ratatouille nos mostra o simpático ratinho Rémy, que sonha em se tornar um chef de cozinha. Após conhecer Alfredo, um cozinheiro humano sem nenhum talento que trabalha num renomado restaurante, o rato consegue um jeito de seguir seu sonho e ao mesmo tempo ajudar Alfredo com o trabalho, passando por algumas encrencas.

A trama é bastante envolvente e possui uma ambientação tanto de lugares como de personagens muito bem desenvolvidas. Foram necessárias 4500 fotos de Paris para a parte de pré-produção e pesquisa do cenário para naturalização do filme. A animação coloca em cheque temas como a ampla liberdade, a jornada em busca dos sonhos, os valores familiares tradicionais, o companheirismo e a força de vontade. Os diálogos agitados do roteiro da animação forçam o ar que o trabalho na cozinha exerce: tudo muito rápido para que a comida do cliente seja entregue rápida e gostosa. E por falar em comida, o grande trabalho no design dos pratos preparados no filme são de dar água na boca - mesmo que seja uma animação. Vale a pena conferir e se deliciar com Ratatouille!


3
Os Incríveis (2004)


Os Incríveis narra o dilema de Beto Pêra, um herói vivendo uma vida monótona devido ao momento de extinção e repressão aos super-heróis, que recebe uma correspondência para voltar a ativa como Sr. Incrível (seu codinome). Mas isso faz com que sua família inteira - também super-poderosos - entre na jogada, fazendo uma confusão de pensamentos e ações na trama.

Convívio familiar, confiança e união. Tais temas são bastante abordados no decorrer do primeiro filme da Disney Pixar a ser protagonizado por humanos. Os personagens principais do filme possuem seus poderes referente as suas personalidades. O Sr. Incrível representa a peça que sustenta a família em vários aspectos, assim seu poder é a superforça; Helena (Mulher-Elástica) é a mãe da família, precisa se esticar em todas as direções para os filhos e o marido, mas nunca cansa, fazendo seu poder ser a elasticidade. Violeta, a filha mais velha, é uma jovem adolescente muito introspectiva e tímida, o que caracteriza sua invisibilidade. Já por último,  a super-velocidade de Flecha remete ao seu jeito de hiperatividade como irmão caçula. Como o filme mais longo da pixar até seu momento de estreia, Os Incríveis não peca em roteiro, sendo uma das animações mais divertidas (e incríveis) da Pixar e fazendo o diretor Brad Bird a vencer o seu primeiro oscar (não o único) de Melhor Animação do ano de 2005.


4
Shrek (2001)


Esse filme você não esperava estar na lista, não é mesmo? Sim, o ogro mais famoso do cinema tem um Oscar na sua prateleira. A animação conta a história de Shrek, um ogro grande, nojento e sem modos que vive calmamente em seu pântano. Contudo sua paz é ameaçada quando outros seres de contos de fadas invadem seu espaço. Ele então viaja até um reino para reclamar com o responsável, que o leva a uma missão de resgate de uma princesa presa numa torre, Fiona.

Shrek é um filme completamente divertido e nos dá uma lição de moral forte. Enquanto os seres ditos como “belos” externamente são completos ogros por dentro, o personagem verde é uma pessoa maravilhosa e simpática internamente. A personagem Fiona também nos leva a ver os padrões de beleza com outros ângulos no decorrer do filme, nos surpreendendo em muitos momentos da animação. O filme também é uma quebra do reinado da Disney se tratando de animações, pois agora é uma produção feita pela Dreamworks, que possui um dos sócios o diretor e produtor de cinema Steven Spielberg. Shrek se difere entre os outros filmes produzidos pelo estúdio anteriormente em duas coisas técnicas: possui uma ferramenta chamada shapers que faz a animação ser mais realista, mostrando camadas de ossos, músculos e pele, tornando mais emocionante a animação computadorizada; a outra é a Fluid Animation System, que faz com que o vestido de Fiona, por exemplo, seja tão real - cria camadas super reais.


5
WALL-E (2008)


WALL-E é mais que um filme: é um aviso de conscientização para todos nós. Após uma super poluição em massa produzida na Terra, cientistas constroem um robô para limpar o planeta e poder habitar novamente a superfície terrestre, chamado WALL-E. Em sua missão, ele acaba conhecendo outra robô, EVA, e se apaixona pela mesma durante toda a aventura para concluir a tarefa de limpar o planeta Terra.

Uma trama que consegue emocionar tanto crianças como adultos. O roteiro, do diretor já oscarizado Andrew Stanton, passa do começo ao fim em críticas perfeitas ao modo como os seres humanos cuidam do planeta (ou melhor: não cuidam). Se por um lado o robô causa desconforto e tristeza, por outro ele nos leva a cenas fofas e bonitinhas. As referências de WALL-E se baseiam principalmente na inspiração de 2001: Uma Odisseia no Espaço, de Stanley Kubrick, e a ideia do robôzinho protagonista já tinha sido desenvolvida em 1994, quando os criadores estavam em planejamento de Vida de Inseto, Procurando Nemo e Monstros SA. E, como curiosidade, o filme está em primeiro lugar na lista de 2009 da revista TIME dos “Melhores Filmes da Década”.



6
Up - Altas Aventuras (2009)


O protagonista de Up: Altas Aventuras é um senhor vendedor de balões, chamado Carl Fredricksen, que está prestes a perder sua antiga casa que viveu ao lado de sua falecida esposa. Com isso, ele enche sua casa com vários balões e faz ela voar pelos ares, se transportando junto a ela rumo ao destino que sempre quis: Venezuela. Porém, após a casa começar a voar, ele descobre que Russell, um conhecido garoto de 8 anos, embarcou junto a ele, fazendo companhia nesta aventura nos céus.

Um emaranhado de cor é o que dá ainda mais vida a Up. Além de seus diálogos incríveis e construções de personagens altamente bem feitos, o visual do filme chega a maravilhar os olhos ao visar a tela, seja pelos balões coloridos da casa, ou seja pela cenografia (ou os dois em conjunto).  Up foi produzido para fazer o espectador gargalhar, se emocionar e se empolgar. Mas o que faz o filme ganhar quem está vendo é a linda e fantástica sequência da vida de Carl conhecendo a amada Ellie, e faz as emoções correr na flor da pele. A animação consegue falar por si só, pois os produtores e demais envolvidos conseguiram usar todos os recursos que o cinema pode dar com maestria.



7
Toy Story 3 (2010)


Toy Story 3 nos mostra a volta da turma do Xerife Woody após uma década guardados dentro de um baú. Como Andy já está se preparando pra adentrar a faculdade, os brinquedos são levados para doação a uma creche local, cheia de crianças sem cuidado algum com eles. Lá, eles unem forças para sobreviver e conhecem brinquedos novos para fazer amizade.

Esse filme foi - especialmente - feito para mexer com os sentimentos não de crianças, mas sim de adultos. Não tem como não se emocionar com Toy Story 3. O sentimento de solidão e abandono que os brinquedos sentem é de dar pena, e todo mundo lembrou de quando passou da fase da puberdade, deixando os brinquedos de lado. Uma coisa é certa: a Pixar não aprendeu até ali a fazer um filme ruim. Cercados de Oscar e outros prêmios, o estúdio nos presenteia com uma obra prima da animação em CG (computação gráfica). As cores dos brinquedos e os cenários infantis são, desde o primeiro filme da franquia, uma explosão visual magnífica. Um cuidado total da direção de arte e um roteiro incrivelmente bem feito para transbordar sentimentos faz de Toy Story uma das cinco maiores bilheterias da Pixar (e super merecido).



8
Procurando Nemo (2003)


O amor paterno foi o assunto chave para a Disney Pixar no enredo de Procurando Nemo, fazendo todos se emocionarem com o longa. A animação conta a busca de Merlin, um peixe-palhaço, para encontrar seu filho, Nemo, que foi sequestrado por curiosos mergulhadores locais. Com a ajuda de vários animais marinhos na jornada, Procurando Nemo nos mostra como Merlin acaba descobrindo seus defeitos como pai e perdendo seus receios e traumas, enquanto Nemo espera uma maneira de voltar para casa.

O fundo do mar é uma explosão de cores e variações de seres marinhos, e o longa não pecou nesse sentido. Conhecemos espécies de animais excêntricos, seus costumes e curiosidades. As cores vívidas de peixes, cavalos-marinhos, polvos e até águas-vivas são fortemente representados na animação de Andrew Stanton - diretor de outros filmes do estúdio, incluindo Procurando Dory, continuação do desenho oscarizado. A pré-produção de Procurando Nemo começou em 1997, seis anos antes do filme ser lançado, justificando a perfeição dos detalhes no roteiro e nos efeitos visuais do filme. Personagens com personalidades características e significativas, além de um enredo que abrange tanto criança como adultos, faz o filme ter merecido o prêmio.


9
Valente (2012)


O primeiro longa da Disney Pixar protagonizado por uma mulher foi super bem aceito pela crítica mundial. Valente narra o momento em que a princesa de madeixas ruivas e rebeldes Merida passa por um momento de desconforto: um torneio é organizado por seus pais, com o objetivo de achar um pretendente a ser o marido da garota. Diante disso, a relação entre os pais e a filha é levado a tona, fazendo a valente princesa - que sempre mostrou bravura e um interesse por aventuras -  a fazer de tudo para fugir desse evento, incluindo entrar em contato de uma bruxa local.

O uso de uma personagem feminina e fora dos padrões foi o que deu credibilidade de uma narrativa de ouro para o longa. Merida não é como as outras princesas da Disney: ela é destemida e possui uma personalidade forte. Não gosta muito de usar roupas de princesa e de seguir os costumes da classe real. A produção de Valente foi um show de preparo. Os produtores tiveram que aprender a duelar de verdade, a fim de saber exatamente os movimentos que o corpo humano faz no ato da batalha de espadas. As cores dos cenários escoceses quase foram ofuscados na pré-produção: eles queriam que a animação se passasse na neve, como uma maldição que a bruxa da floresta tinha jogado no reino. Mas, felizmente, mudaram essa ideia. Roteiro, personagem principal, direção de arte, trilha sonora, ambientação… tudo ficou perfeito! E o padrão de que toda princesa é submissa foi quebrada mais uma vez com Merida (a primeira vez foi com Mulan).


10
Happy Feet: O Pinguim (2006)


Não tem como não se apaixonar por Mano, um pinguinzinho diferente dos demais pinguins-imperadores da região da Antártida no filme Happy Feet: O Pinguim. Enquanto os demais vivem baseado no canto, Mano só consegue dançar, sendo alvo de preconceitos e risos. Com isso, ele passa a tentar driblar todas essas críticas em cima dele, lutando contra a discriminação e tentando se encaixar, da sua forma, com os outros pinguins.

A animação se difere das demais produções do gênero por conta de um roteiro inovador e uma trama não envolta de cenas engraçadas e forçadas. O foco no filme é a música. Muita cantoria e dança transbordam a tela, sendo avaliado como um musical. Happy Feet é repleto de emoções, indo de uma jornada de superação para uma crítica de poluição e consumismo de interesses dos humanos na Antártida. E, mesmo sendo uma animação com metragem de 98 minutos consegue prender o espectador até o final, revezando choros, risos e espanto. Uma bela obra cinematográfica.

E aí, ficou com vontade de assistir alguns destes filmes? Aposto que você já conhece vários deles, já que a maioria são famosos. Mas qual o seu preferido? Conte para nós! Agora nos resta conferir esse ano quem levará a estatueta da categoria para casa.





Facebook




Comentários