Logo nas primeiras páginas de Mr. Mercedes o leitor é surpreendido por um massacre realizado pelo vilão de toda a trama. Por puro prazer, o assassino atropelou com um Mercedes cinza várias pessoas que aguardavam por um emprego em uma fila quilométrica. Várias vítimas acabaram morrendo. 

Desde então, o Detetive Bill Hodges se tornou o responsável por solucionar o caso, em vão. Depois de anos, Bill se aposentou sem ter encontrado um culpado para a carnificina. Por conta da aposentadoria e do fracasso em relação ao caso do Mercedes, o detetive Hodges acaba se vendo em um depressão profunda, passando todo o tempo assistindo TV com uma arma como companhia, cogitando a ideia do suicídio.

Tudo muda quando o Detetive recebe uma carta de alguém que se auto intitula como ‘Assassino do Mercedes’. Na carta, o remetente descreve com detalhes a cerimonia de aposentadoria de Hodges e cita a grande quantidade de casos que ele já conseguiu solucionar nos anos que esteve a serviço da polícia, mencionando o fato de que ele foi um dos poucos assassinos que conseguiu fugir das mãos do Detetive. O Assassino do Mercedes também escreveu detalhes sobre o assassinato em massa que cometeu, com um claro tom de provocação, mostrando que seria um vilão frio e calculista, podendo ser considerado um dos piores já criado por Stephen. 

Depois de ler a carta marcada por carinhas amarelas e sorridentes usando óculos escuros, Bill Hodges mergulha de cabeça no objetivo de encontrar o assassino mesmo estando aposentado. Passa então a receber a ajuda de duas pessoas excêntricas, mas essências para a trama e para a vida do Detetive. 

Com um ritmo acolhedor, Mr. Mercedes prende o leitor com uma riqueza de detalhes impressionante, levando o leitor até a descoberta de toda a verdade sobre o assassino, fazendo com que o leitor se sinta como um ajudante de Hodges. Mais uma vez Stephen King mostrou o seu enorme potencial em relação a escrita e a composição de personagens marcantes e inesquecíveis.

O primeiro livro da trilogia Bill Hodges não apresenta seres sobrenaturais, mas sim um assassino de carne e osso, mostrando como o lado obscuro do ser humano pode ser perigoso. Com a dose certa de drama e sangue, a trama é muito bem finalizada, fazendo o leitor se deparar com os nós completamente bem atados de uma história bem concluída, sendo aquele tipo de livro que deixa um aperto de saudade no coração quando termina. 

O segundo e o terceiro livro da trilogia já foram lançados aqui no Brasil, respectivamente intitulados como ‘Achados e Perdidos’ e ‘Ultimo Turno’.


Já leu Mr. Mercedes? Conte pra gente o que achou!





Facebook




Comentários