Com o lançamento do filme Animais Fantásticos e Onde Habitam, o mundo bruxo criado por J.K. Rolling volta à tona. O que está além dos portões da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts não é mais o único ambiente escolar a ser detalhado pela autora. Em 2016, o site oficial Pottermore divulgou algumas informações - poucas, porém interessantes - a respeito de Castelobruxo, a escola brasileira de magia e bruxaria.

Descobrimos as especialidades principais dos estudantes e conhecemos alguns bruxos famosos que são ex-alunos da escola, como Libatius Borage, famoso preparador de poções e escritor de livros do gênero, e João Coelho, capitão de quadribol do time mundialmente famoso Rasa-árvores de Tarapoto. Com base nas informações divulgadas no texto e especulações dos fãs, aqui estão algumas perguntas que ainda tempos sobre essa misteriosa escola - e também curiosidades sobre ela:

1
Em que lugar do Brasil fica Castelobruxo?


De acordo com o texto escrito pela autora, Castelobruxo está localizada dentro de uma floresta tropical brasileira. Como seus alunos são especialistas em Herbologia e Magizoologia, pode-se especular que a localização definida do edifício seja a floresta amazônica, justamente por suas ricas fauna e flora diversificadas que são mencionadas. Os alunos devem aprender integralmente sobre as várias plantas e diversos animais fantásticos que vivem nesse local, como o Caipora, um ser livre bastante pequeno e peludo, que apesar de ser extremamente travesso, cuida dos arredores da escola durante a noite. Será que nosso carismático magizoologista Newt Scamander, protagonista de Animais Fantásticos e Onde Habitam, fará uma visitinha em Castelobruxo? Torceremos para que a escola seja citada e/ou mostrada nas telinhas do cinema.

2
Quem fundou a escola?


O texto divulgado indica que Castelobruxo tem sua fundação tão antiga quanto a de Hogwarts. Na história do Brasil, os colonizadores portugueses só chegam em território brasileiro no século XVI, levando a crer que a fundação da escola brasileira foi exercida por indígenas locais. Seria muito interessante se J.K. mostrasse essa cultura indígena tão rica que o povo brasileiro possui, enaltecendo as práticas de culto, diferentes tribos e a ligação dos nativos com a magia elemental da natureza - além do nosso lindo folclore local.

Outra semelhança com a escola inglesa é que um trouxa, ao olhar para o edifício, avistaria apenas montanhas antigas. Acredita-se que durante uma viagem para Hogwarts, uma das diretoras de Castelobruxo, Benedita Dourado, riu muito alto quando Armando Dippet (um dos diretores de Hogwarts) reclamou de Pirraça, o Poltergeist. A mulher então ofereceu trazer alguns Caiporas para a Floresta Proibida para ele saber o que "encrenca realmente significava", mas a oferta infelizmente foi recusada.

3
Como é o ensino de Castelobruxo?


A reunião de etnias diferentes e o compartilhamento de conhecimentos diversos faz Castelobruxo ser uma das mais curiosas e incríveis escolas. Diferentemente das europeias, Castelobruxo reúne várias culturas em um único lugar (sem precisar de um Torneio Tribruxo, não é mesmo?), pois de acordo com a autora, a escola abriga estudantes de vários países da América Latina. Porém, se existem tantos povos diferentes frequentando as paredes da escola bruxa brasileira, em qual linguagem são dadas as aulas? Seria muito individualismo se a escola apenas ensinasse em português, já que seu território é brasileiro, e ignorasse o fato de outros povos habitando o local.

Uma das teorias dos fãs da saga é que a escola tenha se adaptado ao fato de receber estudantes de países vizinhos - ensinando de alguma forma em várias línguas - com professores vindos não apenas do Brasil, mas cada disciplina possuir um lecionador de um país diferente, dando representatividade para cada país e ampliando ainda mais o conhecimento dos alunos perante os outros lugares. A outra teoria é que Castelobruxo possui algum encantamento para que seus estudantes entendam o que é lecionado, traduzindo magicamente as falas dos professores no idioma nativo do aluno. Legal, não? Afinal, estamos falando de magia! Tudo (ou quase tudo) é possível!

4
Qual é a relação de Castelobruxo com a colonização brasileira?


Como acredita-se que foi fundada por indígenas brasileiros, o nome da escola teria sido criado no dialeto dos povos nativos.  Então, por que se chama “Castelobruxo”, na língua de seu povo explorador? O nome teria sido trocado após a colonização brasileira? Os fãs brasileiros estão um tanto curiosos a respeito dessa informação, pois o tal câmbio nos mostra a posição dos bruxos brasileiros nesse período tão sangrento dos indígenas latino-americanos. Talvez tenha sido uma falta de informações coletadas por J.K. sobre nossa história, levando os interessados a deduzir que a autora tratou nossas informações históricas com desdém. Ou quem sabe apenas tenho sido uma troca para se adequarem a globalização atual.

Pouco foi detalhado sobre a fundação e desenvolvimento de Castelobruxo durante os anos posteriores, contudo a curiosidade vem a tona. Os bruxos indígenas brasileiros foram coniventes diante do processo de exploração europeia no Brasil? Aguardaremos mais informações de nossa querida J.K.

5
Por que apenas UMA escola de magia na América Latina?


Que Castelobruxo está localizada no Brasil, todos já sabem. Agora o que poucos conhecem é que a escola é a ÚNICA em território latino. Ela recebe alunos de todos os países da América Latina (Argentinos, Mexicanos, entre outros), além de possuir programas de intercâmbio para bruxos vindos de outras escolas pelo mundo, principalmente os ingleses. O curioso é essa universalização dos países latino-americanos em apenas um centro acadêmico, pois nos leva a questionar o motivo de bruxos mexicanos (dando exemplo diante de outros países), que possuem uma rica cultura asteca antepassada, não fundarem uma escola de magia e bruxaria, e preferir mandar seus estudantes para o Brasil.

Quem sabe o que J.K. ainda não tenha nos contado é que os bruxos que habitam os países latinos tenham entrado em um acordo diplomático para a fundação de uma única unidade de estudos para a população bruxa da região. Talvez uma história de harmonia e fraternidade esteja oculta nisso - ao invés de ensinarem individualmente em escolas diferentes seus métodos de magia, resolveram unir seus conhecimentos em uma única escola, a fim de mais aproveitamento e compartilhamento de ensino. Incrível, não? 

E aí, ficou com vontade de visitar Castelobruxo? Aposto que sim! Ainda há muito a ser revelado sobre nossa escola de magia e bruxaria, o que nos deixa ainda mais curiosos, cheios de dúvidas e transbordando de teorias. Agora o que nos resta é continuar de olho em tudo e esperar novas informações a respeito, pois J.K. deve estar apenas esperando o momento certo para nos mostrar tudo o que esse lugar pode nos proporcionar.

Fontes: Pottermore, STB - Florianópolis.




Facebook




Comentários