No dia 1 de outubro, chega no canal de streaming Netflix a série “The O.C.”, drama teen que fez muito sucesso nos anos 2000. Entre o seu episódio piloto – em 5 de agosto de 2003 – e o seu episódio final – 22 de fevereiro de 2007, a série emocionou com suas inesquecíveis cenas, notória trilha sonora e personagens marcantes, e conquistou uma legião de fãs por todo o mundo. Mesmo ainda depois de 13 anos da sua estreia, a série continua sendo referência de produção voltada para o público juvenil, assim como as séries Gilmore Girls, One Tree Hill e Dawson’s Creek.

The OC conta a história de adolescentes e de suas famílias ricas que vivem em Newport Beach, no Condado Orange (Orange County, que forma a sigla OC). Ao mesmo tempo em que isso acontece, é feito um paralelo à vida de Ryan Atwood, um garoto problemático e desprivilegiado que acaba indo à prisão por tentativa de roubo. Mas esses dois mundo se entrelaçam quando Sandy Cohen, um defensor público, decide levar Ryan para sua casa depois que sua família o abandona, já no episódio piloto da série. A partir disso, Ryan se vê imerso no mundo plástico e perfeito das famílias ricas de Newport Beach, e claro, em um ponto chave de uma crítica social.

A série, produzida pela Warner, foi criada por Josh Schwartz e teve apenas quatro temporadas. Ela foi cancelada em 2007 em virtude da baixa audiência, que aconteceu logo depois de um grande acontecimento da série que não agradou aos fãs. A Netflix disponibilizará nesse dia 1º as primeiras 3 temporadas da série, mas não fique ansioso: a 4ª está prometida para chegar logo.

Curioso sobre a série? Confira 10 motivos para você assistir The OC que preparamos:

1
Série adolescente dos anos 2000


Por ser ambientada nos anos 2000, The OC possui uma vasta gama de referências que acabam sendo nostálgicas dessa época. Provavelmente, ao assisti-la, você voltará 13 anos no tempo e se conectará com bandas que emergiam na época, com roupas e gírias que eram tendências em 2003 e com aparatos “old” e quem sabe até mesmo “vintage”, como por exemplo os celulares de flip, as primeiras câmeras digitais, etc. E sem contar em todo aquele clima da Califórnia de quase quinze anos atrás, que convenhamos, se difere bastante do de hoje.

2
Mistura drama e comédia


A série aborda problemas graves como desentendimentos familiares e alcoolismo, mas ao mesmo tempo faz com que o telespectador encare esses problemas de uma forma leve, já que as cenas “pesadas” são intercaladas por cenas divertidas, que quase sempre têm Seth Cohen (um dos personagens principais da trama) como responsável, com seus diálogos engraçados e recheados de ironias. Tudo isso consegue deixar a série homogênea e bem equilibrada e assim acaba agradando uma grande quantidade de pessoas, o que justifica o grande sucesso de The OC.

3
Personagens bem estruturados


Ao longo de quatro temporadas e 92 episódios, é bastante perceptível a evolução e amadurecimento das personagens da série, desde o núcleo adolescente, até mesmo ao núcleo adulto. Ryan Atwood é o garoto problemático, o forasteiro de Newport Beach; Seth Cohen é o nerd inseguro, sonhador e ingênuo; Marissa Cooper é a garota da casa ao lado, a princesa e garota modelo; Summer Roberts é a patricinha fútil e riquinha. Mas, de certo modo, os quatro jovens acabam criando laços, e em um momento da série, se intitulam como: “Seth é o cérebro, Ryan a força, Marissa a beleza, e Summer... os peitos”. Por conta de um roteiro muito bem escrito, tanto os adolescentes quanto os adultos da série demonstram seus sentimentos, qualidades e defeitos da forma mais profunda possível, o que enriquece suas personagens.

4
Abertura marcante


Depois de assistir The OC fica difícil não associar a música “California” do Phantom Planet à abertura da série, e menos fácil ainda é a tirar da cabeça, porque ela gruda. O tema de abertura retrata os sentimentos que envolvem a série, e depois de alguns episódios, fica clara a escolha da música. Além disso, ela é recheada de cenas da série, deixando bem marcante a personalidade e o papel de cada personagem dentro da trama, sem contar as inúmeras belas paisagens típicas da Califórnia, local onde toda a história acontece.

5
Aborda problemas sociais


A série tem um grande foco nas relações familiares, nas suas forças, fraquezas, e principalmente, em seus desentendimentos. Alcoolismo, anorexia, abuso sexual e consumo de drogas estão presentes de forma intrínseca na série, sendo suporte para o enredo de vários episódios. Entretanto, o maior problema social enfrentado na série – e na verdade sendo escancarado como crítica ao telespectador – é o contraste entre pobreza e riqueza. Ryan é um garoto desprivilegiado, da cidade de Chino, vindo de uma família pobre e cheia de problemas que começa a conviver com uma família extremamente rica em um mundo de privilégios e dominado por homens brancos e com dinheiro.

6
Cenas de tirar o fôlego


Graças à mistura de cenas dramáticas e engraçadas, a série consegue atingir um ritmo perfeito, o que faz com que os acontecimentos se desenrolem de forma natural, mas sem dispensar as cenas marcantes. É difícil descrevê-las sem soltar spoilers, mas de forma generalizada, temos várias cenas eletrizantes, tristes, românticas, engraçadas e etc. Vemos um beijo que faz referências aos quadrinhos da Marvel, tristes despedidas, mortes trágicas, plot twists surpreendentes e muitas, mas muitas cenas de tirar o fôlego.

7
Trilha sonora como personagem


Uma das principais características de The OC é a trilha sonora incrível presente na série. De forma marcante, ela embala a trama e casa perfeitamente com as cenas. O criador da série, Josh Schwartz, queria que as músicas fossem “um personagem” da série, e por isso, contou com uma talentosa equipe que cuidasse desse artifício para ser um diferencial da série. The OC, inclusive, lançou 6 CDs entre 2004 e 2006, chamados de “Music from The O.C.: Mix 1”, até o Mix 6. Várias bandas também participaram da série tocando suas músicas nas cenas em que as personagens iam a shows. The Killers, Death Cabe For Cutie, Modest Mouse, The Subways, The Walkmen e Rachel Yamagata são vários nomes da música indie que se apresentaram no seriado e receberam bastante fama por conta disso.

8
Apesar de "antiga", continua tendo muitos fãs


O episódio piloto de The OC foi ao ar em 2003 e o ultimo em 2007, mas é incrível como uma série de quase treze anos ainda possui tantos fãs ao redor do mundo e que aborda temas que continuam sendo tão atuais nos dias de hoje. Essa com certeza é uma daquelas séries que vão querer apresentar para os filhos ou até mesmo para os irmãos mais novos. Uma das coisas que pode justificar o sucesso da série até então é a nostalgia que ela traz, seja por conta da trilha sonora ou até mesmo por conta dos figurinos, que por ser ambientada nos anos 2000, possui fortes características da época.

9
Participações especiais de atores famosos


Talvez naquela época eles não fossem ainda celebridades, mas muitos atores que hoje são famosos começaram seus trabalhos em The OC. Olivia Wilde, Shailene Woodley, Chris Pratt, Paul Wesley, Willa Holland, Max Greenfield, Bella Throne são nomes de astros que há 13 anos estiveram presentes no seriado. E aí vem mais! Da saga Crepúsculo são três: Cam Gigandet, Nikki Reed e Jackson Rathbone. Da série Pretty Little Liars são mais três: Lucy Hale, Ashley Benson e Janel Perrish. E ainda temos que destacar Chris Brown e Paris Hilton (que interpretou ela mesma).

10
Um clichê gostoso de assistir


Talvez se The OC estreasse hoje, não faria tanto sucesso pela quantidade de clichês presentes no enredo. Mas para algo se tornar um clichê, ele deve antes ter sido algo original, certo? E foi isso que The OC foi: uma história original para a época. Um garoto problemático que se relaciona com uma patricinha riquinha. Problemas adolescentes em meio à música indie. Entretanto, por mais que siga um clichê, a série é gostosa de assistir. É leve, emocionante e despretensiosa. Formou uma geração de adolescentes que assistiam ao seriado e se identificavam com as personagens e com as situações e problemas abordados. The OC foi o clichê que deu certo, ou até mesmo uma das séries pioneiras a explorar a drama-comédia teen.

Com todos esses motivos e argumentos, fica difícil não ter vontade de assistir a série, não é mesmo? Pelo menos, se você chegou a ler até aqui é porque você se interessou com o enredo e com todos os artifícios usados na trama. Então, não se esqueça: nesse sábado, dia 1º de outubro, estreia The OC na Netflix. California, here we come!

    




Facebook




Comentários