Algo que nunca deve ser feito é o julgamento de um longa com base em seus antecessores. Descobri isso recentemente (algo que, inclusive, deixo claro na crítica de X-Men: Apocalipse), e tenho aplicado este tipo de visão a outros sucessos hollywoodianos. Então, somos "presenteados" com Caça-Fantasmas, filme que eu realmente pensei ser péssimo e nunca considerei que valesse o preço do ingresso. E eu me enganei.

Sinopse

Dirigido por Paul Feig (que trabalha há 20 anos com filmes e séries de comédia), Caça-Fantasmas é estrelado pelas atrizes Melissa McCarthy, Kristen Wiig, Kate McKinnon e Leslie Jones, no papel de um quarteto de "heroínas" que pretendem salvar a cidade. Enredo simplesmente construído com base em qualquer outro filme do gênero - e não tem nada a ver com uma "homenagem" aos filmes da década de 1980, caso você ainda pense isso.

A química perfeita entre as quatro atrizes (especialmente Kristen e Melissa, que atuaram juntas em Missão Madrinha de Casamento) foi simplesmente arruinada pela história fraca. "Ué, mas você acabou de dizer que estava enganad..." sim, a história é péssima, só que ainda vale o ingresso. Pelo menos pelo visual...


3D (meh)

Alguns dizem ser uma revolução no jeito de fazer cinema, alguns não gostaram, e eu considero indiferente. O 3D no filme tem seus dois ou três momentos "wow", porém, nada diferente do que você está acostumado a assistir no cinema hoje em dia. Quer dizer, a não ser que você veja em IMAX, pois o IMAX 3D "Frame Break" (tradução literal "quebra da moldura") ajuda na imersão. As faíscas ou resquícios da "mochila de prótons"  nos fantasmas quebram as barreiras da tarja preta que fica sobre (e sob) a tela, e essa seria a maior novidade que tanto se fala.

Referências demais?

São diversos cameos (que na linguagem cinematográfica equivale a "aparições inesperadas de pessoas que você conhece") e todos te fazem esboçar um sorriso na cara - se você pegar a referência, claro. Contudo, somente uns dois ou três te deixam realmente feliz, principalmente se você curtir os dois filmes originais.

Um lançamento de 2016 não deveria se apoiar no que foi construído trinta anos atrás, e este é um dos principais pontos positivos do longa. Não é o mesmo universo, não são os mesmos personagens e a história não tenta ser a mesma (apesar de ser clichê, há deslizes, mas ele não tenta seguir os outros dois filmes).

*Ah, e fica a dica: tem pós-créditos sim.


Reboot digno?

Acho válida a comparação de Caça-Fantasmas com as "homenagens" feitas em Star Wars: O Despertar da Força que, apesar de não ser um reboot, é um bom jeito de fazer cinema. Enquanto no primeiro existem dezenas de referências e tentativas de relembrar os fatos dos dois filmes originais, no episódio VII da saga Star Wars vemos parte da consequência que teve origem nos seus antecessores. Em Caça-Fantasmas, isto não ocorre, simplesmente pela escolha de construir um roteiro do zero (e introduzir um universo completamente novo) e este é um dos pontos negativos que mais fica evidente ao decorrer da narrativa.

Sim, existem referências e easter eggs, obviamente, mas nada disso interfere diretamente no rumo da história - e nada é resultado do dia em que o quarteto "salvou a cidade de um ataque fantasmas", conforme podemos conferir no filme de 1984. Tentar tocar em um clássico é um passo arriscado, contudo, se o trabalho fosse bem feito não haveria nada a temer, não é mesmo?

Ele não deve ser tratado como um "filme de fantasmas" e é, sem sombra de dúvidas, o terceiro melhor Ghostbusters. Chris Hemsworth é um dos pontos "fortes" do longa, mas a foco ainda está nas quatro mulheres - que, só para deixar claro, são ótimas atrizes e comediantes MUITO boas.


Conclusão

Sinceramente, não tenho uma forma simples de dizer que o filme é ruim. Justamente porque ele não é. Mas, na outra parte dessa balança, não tenho como dizer que ele é bom. Em resumo, a onda de hate absurda no trailer de lançamento não é nem um pouco justa (vamos lá, quase UM MILHÃO de dislikes, galera?!).

O marketing do filme também não foi bem feito - pelo menos não aqui no Brasil! -, porém, posso afirmar que (em relação ao que julgo serem as melhores cenas) boa parte do que acontece no longa não está nos trailers. Um dos maiores problemas de divulgação de lançamentos é o tal "estava tudo naquele trailer de três minutos" que, por acaso, foi lançado quatro meses antes da data de estreia.
Prevejo que Caça-Fantasmas será o que chamam de "flop", mas torço para que não seja tão mal visto quanto Batman vs Superman.

A recomendação é a seguinte: não conhece nada do universo Ghostbusters? Assista este, pois há grandes chances de curtir. Em contrapartida, se é fã do segundo filme, é possível que você também curta bastante este lançamento - se assistir sem preconceitos. Caso você não pretenda seguir nenhuma das dicas acima, creio que seu ingresso não valerá a pena. Fique em casa e assista Fantasmaníacos na Netflix - documentário sobre o filme e os fãs do clássico de 1984.





Facebook




Comentários