Disponível para PlayStation 4, Xbox One, PlayStation 3, Xbox 360 e PC, "Valiant Hearts: The Great War" (do original francês, "Soldats Inconnus : Mémoires de la Grande Guerre") é definitivamente o jogo sobre Guerra mais humano e sensível que já joguei. Ambientado na Primeira Guerra Mundial, o jogo foca mais no relacionamento dos personagens do que nos detalhes históricos, embora ao longo dos episódios possamos encontrar objetos escondidos pelo cenário que desbloqueiam documentos reais da época, como fotos e cartas.

Karl é um cidadão alemão que vive tranquilamente na França com sua esposa e filho recém-nascido, até que a Guerra eclode e ele é forçado a se separar de sua família e voltar a Alemanha, onde deve se juntar aos soldados e lutar pelo seu país. Enquanto isso, seu pai, Emile, é convocado para as forças francesas. Ambos não estavam motivados a se alistar ou lutar, algo que acontece frequentemente em guerras. Pessoas comuns que são obrigadas a lutar em conflitos fora de seus controles. 


Você joga tanto como Emile, quanto Karl, bem como também uma enfermeira belga chamada Anna e um americano chamado Freddy, que se alista nas forças francesas. Além desses personagens com habilidades diferentes, um cachorro chamado Walt também nos acompanha e ajuda boa parte do jogo.

Valiant Hearts basicamente é uma plataforma side-scrolling, onde o personagem precisa andar para que possamos ver o cenário; não temos ele completo logo de cara, é preciso se mover para resolver os quebra cabeças. É composto por enigmas onde temos que achar objetos, usá-los de forma correta - tanto distrair o inimigo, quanto abrir uma porta ou mover uma alavanca - e assim passar de episódio.

Há também muita morte em Valiant Hearts, mas pouca violência direta. Ocasionalmente precisamos espancar um soldado distraído e explodir aviões, porém a maior parte do nosso tempo é gasta ajudando pessoas presas em escombros ou socorrendo feridos. Neste jogo não é você a máquina de matar, e sim a Guerra. Há um sentimento de futilidade e tristeza quando vemos cada vez mais ataques e cada vez mais cidadãos e soldados mortos, de novo, e de novo, sem parar. Como se o banho de sangue do primeiro ataque não tivesse sido suficiente, eles planejam novos ataques, um atrás do outro.


Embora a mecânica do jogo seja bem simples e até fácil, muitos detalhes fazem Valiant Hearts ser um jogo impecável. Sua arte única, os personagens cativantes, a trilha sonora incrivelmente imersiva e, claro, o roteiro extremamente sensível, vão te fazer se apaixonar pelo jogo, e possivelmente sofrer um pouquinho quando ele terminar.

"À medida que a guerra termina para mim, 
eu não estou arrependido, eu vi muito horror... 
A Guerra enlouquece os homens... 
Essa é a minha última carta."





Facebook




Comentários