Vencedora do Globo de Ouro 2016 de Melhor Série de Drama e Melhor Ator Coadjuvante, "Mr. Robot" gira em torno de Elliot (Rami Malek), um jovem programador que trabalha como engenheiro de segurança virtual durante o dia, e como hacker vigilante durante a noite. Elliot se vê numa encruzilhada quando o líder (Christian Slater) de um misterioso grupo de hacker o recruta para destruir a firma que ele é pago para proteger. Motivado pelas suas crenças pessoais, ele luta para resistir à chance de destruir os CEOs da multinacional que ele acredita estarem controlando o mundo.


Desde o início sabemos que estamos diante de uma série diferente a partir do momento em que Elliot conversa com seu "amigo imaginário" e entendemos que somos nós, espectadores. O personagem é bem estranho e pensa muito, o que o faz conversar com ele mesmo várias vezes. E de vez em quando Elliot nos inclui nesses pensamentos, perguntando o que teríamos feito naquela situação ou se já sabíamos que algo aconteceria daquele jeito.

A maioria das grandes produções de hoje em dia como "Breaking Bad" ou "Game of Thrones" começam com episódios mornos e vão esquentando ao longo das temporadas, o que não é o caso de "Mr. Robot". Tanto a narrativa quanto a criatividade e a estética são incríveis desde o primeiro episódio, melhorando cada vez mais ao longo dos 10 episódios. A série não perde sua originalidade, entregando plot twists verdadeiramente surpreendentes mesmo quando a resolução é previsível.


Inicialmente temos uma trama complexa que vai se desdobrando ao longo da temporada, explicando em partes cada pedaço da história e a verdadeira natureza de cada personagem - afinal, Elliot hackeia todo mundo e sabe de tudo, mas ele nunca foi bom em entender as emoções das pessoas. E falando em emoções, pelo personagem ser uma pessoa completamente distante, isolada e estranha, ele acaba não tendo muitos amigos e não gostando muito de pessoas, o que o faz sempre afundar em depressão e se tornar um quase viciado em morfina - "quase" porque ao mesmo tempo em que ele se droga, ele toma remédio para não se viciar. Todos esses problemas pessoais nos deixam apegados ao personagem, sofrendo junto com sua exclusão social e falta de ajuda.

Com uma segunda temporada já oficialmente garantida, "Mr. Robot" finalizou essa primeira temporada sem pontas soltas na trama principal, mas com um enorme gancho para a próxima: quem bateu na porta? (para entender, vejam a série e, por favor, não deixem de ver o incrível plano sequência na cena pós-créditos do último episódio)





Facebook




Comentários