Estreia hoje Deadpool, a terceira tentativa de Ryan Reynolds de interpretar um herói que, finalmente, deu certo.

Desde já, fica a dica: esqueça tudo o que você pode ter aprendido sobre os filmes de super-heróis da atualidade (mesmo porque ele é um anti-herói), pois Deadpool cumpre o que prometeu em suas excelentes campanhas de divulgação e satisfaz mesmo quem nunca ouviu falar sobre o personagem.


Para quem não conhece a história de sua origem, eis um breve resumo: Wade Wilson é um mercenário que recebe a notícia de ter câncer terminal. Com isso, ao invés de traficar metanfetamina no estilo Heisenberg, é recrutado no programa Arma X (o mesmo programa que transformou o Wolverine no que conhecemos hoje), o que resulta na habilidade de cura rápida e total regeneração de seu corpo, tornando-o quase imortal. Ao mesmo tempo, ele é um dos poucos que reconhece estar dentro de uma HQ e estar sendo lido por alguém, sendo o primeiro das adaptações cinematográficas da Marvel a conversar com o público. É uma paródia de Slade Wilson, o Exterminador da DC Comics, então suas vestes são praticamente idênticas e já tornou-se até mesmo personagem em um jogo de videogame (de 2013), no qual mostra sua habilidade de teletransporte por meio de um cinto especial.


Ryan Reynolds transformou o Deadpool de X-Men Origens: Wolverine (que, caso você não tenha visto, não vale a pena nem procurar no Google) em um personagem completamente novo nesse filme. Ele torna-se O Deadpool – ou o que era pra ele ter sido na adaptação do longa de 2009 – que, como é possível ver nos trailers e como eu disse anteriormente, parece saber sobre a situação do mundo atual ao quebrar a 4ª parede e falar diretamente com o público sobre si.


Recheado de referências a itens da cultura pop (dentro e até mesmo fora da telona), você será pego de surpresa logo nos créditos iniciais. E, aparentemente, isso vai além do que é mostrado explicitamente. Segundo Reynolds, em entrevista ao Buzzfeed, há uma cena em que ele luta nu contra um dos vilões, que foi inspirada em Senhores do Crime, um filme de 2007 dirigido por David Cronenberg. “Se alguém se compromete a lutar com você completamente pelado, esse cara é maluco. Porque se você toma um soco no pênis, acabou, é o fim da luta!”, o ator comenta.

Ah, e já tem continuação confirmada pela Fox! ;)





Facebook




Comentários