Estreia hoje o longa Caçadores de Emoção: Além do Limite, um reboot da versão dos anos 90 que trazia Keanu Reeves no papel principal de um agente do FBI disfarçado de surfista. Vale ressaltar aqui que essa versão é recheada de ação, cortes e movimentos rápidos com a câmera, portanto, se esse não for sua preferência nem pense em entrar nessa onda.

Johnny Utah (Luke Bracey) é o protagonista que, assim como Keanu em 1991, deverá infiltrar-se nas aventuras dessa suspeita gangue de aventureiros comandada por Bodhi (Édgar Ramírez). Dessa vez, Utah é uma grande celebridade do YouTube e o "inimigo" mostra ter mais habilidade em outras categorias de esportes radicais - fora o surf, claro. Na esperança de cumprir o Ozaki 8 (uma série de aventuras em busca de atingir o nirvana - estado de plenitude), o grupo de Bodhi chega a fazer skydive, esquiar e até mesmo praticar escalada.


No geral, o filme parece unir cenas de um comercial de câmeras esportivas com conflitos clichês de uma história de perseguição policial, assim construindo um enredo lamentável. Enquanto o antigo Caçadores de Emoção trazia a famosa dupla Keanu e Patrick Swayze, Além do Limite nem mesmo compensa a falta de um elenco hollywoodiano com um enredo fascinante. A explicação é simples: nos tempos de Mad Max - Estrada da Fúria é realmente difícil fazer sucesso com um filme que saiba equilibrar cenas fascinantes e repletas de CGI (efeitos especiais) - coisa que nem mesmo Mad Max conseguiu fazer.

Ele é bom? Sim, principalmente se você, caro leitor, não se importar com uma história envolvente e queira somente cenas de ação construídas espetacularmente com o objetivo de fascinar e te deixar na beirada da poltrona. E não é sempre que as malucas acrobacias deles dão certo, o que fica claro logo no início do filme.

Talvez o principal diferencial das duas versões é que nesse caso Utah já mostra ser experiente nas práticas que realiza, enquanto em 1991 o policial mostrava-se inexperiente e aprendia as diversas técnicas ao longo do filme.


De qualquer maneira, se quiser assistir a algo com um desenvolvimento de enredo, que saiba aproveitar pausas numa espécie de montanha-russa (no qual o pico seria uma cena emocionante e o ponto mais baixo é literalmente explicar a história usando ferramentas plausíveis), veja Missão: Impossível - Nação Secreta. Caso contrário, ainda vale a pena testar seu gosto assistindo Além do Limite.

PS.: Apesar de não ter Anthony Kiedis (vocalista dos Red Hot Chili Peppers) no papel de um dos encrenqueiros da história, dessa vez temos uma belíssima cena de surf com direito a "Gold on the Ceiling" do Black Keys. 






Facebook




Comentários