Com mais de 15 septilhões de dólares, você poderia comprar o Facebook, a Disney, o Google e a NASA e ainda dominar o mundo. Ou poderia simplesmente construir a Estrela da Morte. Para calcular o quanto seria necessário para construí-la, levei em consideração duas teorias de sites diferentes: um deles calcula o preço com base na construção do temível raio destruidor de planetas, e o outro leva em consideração as condições físicas como armazenamento de ar e mão de obra para levá-la até o espaço.

Com o diâmetro de 160 km, se a Estrela da Morte orbitasse onde atualmente temos a ISS (Estação Espacial Internacional), ou seja, há 400 km da superfície terrestre, ela seria absurdamente 45 vezes maior do que a nossa Lua.


Mas lembrando da destruição que a Estrela causou a Alderaan, quanta energia seria necessária para realizar tal feito? Basicamente, podemos usar uma equação que calcula quanto de energia seria necessária para explodir um planeta (o que depende de sua massa e seu raio) com o uso da energia potencial gravitacional. Usando a massa e o raio da Terra como comparação, a energia necessária para destruir Alderaan seria de mais ou menos 200.1030 joules, o que é energia suficiente para a Estrela dispersar sobre a órbita da Terra pelo período de uma semana.

E para o raio disparar por 1 segundo, ela requer quase a mesma quantidade de energia gerada em watts para funcionar. O raio mais poderoso já inventado não chega nem perto disso: a “arma” terrestre mais poderosa, que está no labiratório Lawrence Berkeley, dispara um laser de 42 joules em 40 femtosegundos (40-14 segundos), dando o poder de míseros 1015 watts (um petawatt). O laser da Estrela da Morte é centenas de milhões de vezes mais poderoso do que isso.

Mapa com as diversas secções da Death Star
Contudo, onde conseguiríamos tanta energia? Simples, por meio da hipermatéria. Convertendo a matéria para energia pura por meio da famosa equação E = mc², seria necessário algo equivalente a um Monte Everest de matéria para energizar um raio capaz de destruir Alderaan. E esse "poder" todo não é nem um pouco barato.

Então, o custo para minerar todos os materiais necessários para mandar a Estrela para o espaço, para construí-la e pressurizar toda a estrutura, pode estar entre centenas de quadrilhões de dólares (356,585 trilhões de reais) e dezenas de septilhões de dólares (7.1025 reais).

Um estudo feito pelo canadense Ryszard Gold revela o quanto de dinheiro seria necessário para construir tal armação com um modelo básico, sem direito a armas, nem banheiros imperiais e sem sinal de wifi: algo em torno de 1,71 quadrilhões de metros cúbicos de aço (134 quadrilhões de toneladas) o que custaria algo em torno de 12,95 quintilhões de dólares, ou 4,6.1019 de reais.

Ele ainda faz mais contas, como 12,79 septilhões de dólares para transportá-la (4.1025 reais) e absurdos U$ 2.1024 para o custo de transporte de ar (8 quintilhões de m³ de nitrogênio e 1,65 quintilhões de m³ de oxigênio).


O total calculado foi de 15,602,022,489,829,821,422,840,226 dólares e 94 centavos.

Com esse valor você poderia comprar uma área de 57 km² em Los Angeles, 50 km² em Paris, 48 km² em Shangai, 20 km² em Hong Kong, filmar Os Vingadores: Era de Ultron, fazer o GTA V, adquirir uma empresa grande como a Disney e os 15,602 septilhões não mudariam por uma vírgula. Lembrando que tal quantia é 1 trilhão de vezes maior do que a existência de dinheiro físico em nosso planeta.

Fontes: Nerdist e Gizmodo




Facebook




Comentários