Seguindo a exata fórmula dos últimos 4 filmes, Missão: Impossível - Nação Secreta cumpre o básico: te manter entretido do começo ao fim. Tom Cruise esclareceu em entrevistas e em algumas participações em talkshows, durante o período de divulgação do longa, que ele não necessita de dublês para cenas arriscadas desde Protocolo Fantasma e a icônica cena do Burj Khalifa. De quebra, o trailer não mostra realmente nada demais, então não é mais um trailer que entrega de bandeja as cenas de ação (como têm sido feito em recentes lançamentos hollywoodianos). Ao invés disso, a narrativa é lógica. 

O diretor Christopher McQuarrie conseguiu fazer uma excelente conexão entre as localidades, mostrando que Nação Secreta não é simplesmente um filme de ação que resolve exibir um “aventureiro pelo mundo”. São alguns clichês dignos de 007, que você sabe que estarão presentes antes mesmo de você sentar-se na poltrona do cinema. E isso não é um ponto negativo, é a marca de filmes do gênero. Como característico da série, há pelo menos uma cena da qual você não vai se esquecer. Consegue ser menos tenso do que o terceiro e segundo filmes, por exemplo, mas há com certeza um conflito marcante (sem demais spoilers).

O ar misterioso em torno do vilão principal é mantido até os instantes finais e é isso que o Missão Impossível trouxe desde o começo, a ideia de o mundo ser salvo mais uma vez por Tom Cruise (ou se preferir, Ethan Hunt). E como dito acima, ele cumpre o que deveria, te mantendo entretido o filme inteiro, te deixando tenso em situações tensas e boquiaberto em cenas de ação. E não é só o astro Tom Cruise que se destaca: Jeremy Renner e Ving Rhames (que acompanha-o desde o primeiro longa) possuem uma participação tão importante quanto Tom. A noção de união e trabalho em equipe é melhorada em relação a Protocolo Fantasma, um ponto extremamente positivo. Se continuarem nisso, e se houver próximo M.I., a série se tornará cada vez mais original. Resta agora saber se haverá um trocadilho infame entre o sexto filme e o serviço de inteligência secreto MI6.

Lotado de momentos “jamesbondianos” em uma mistura de suspense e adrenalina, Nação Secreta é excelente, e ainda tratando-se sobre a série, perde somente para o terceiro filme. Mais do que recomendado e, para aqueles que não viram os outros filmes, não machuca nada assistir Protocolo Fantasma antes.

Assistiu? Curtiu a resenha? Deixe sua opinião nos comentários!





Facebook




Comentários